Imagem capa - 10 anos de fotografia! Tô feliz? por Fotógrafo Sergio Ricardo
Lindas histórias

10 anos de fotografia! Tô feliz?


Olá!


Hoje é dia 9 de março! Mas e daí?


E daí que foi num dia 9 de março que chegou uma caixa de papelão que iria mudar a minha forma de enxergar o mundo.

É, mas antes de abrir essa caixa e contar como foi que isso aconteceu, te convido a fazer uma breve viagem através do túnel do tempo.


Minhas memórias e meus arquivos nos quais guardo com muito carinho, permitem que eu volte ao início dos anos 70 para me recordar de como a fotografia sempre foi e sempre será importante na vida de todos nós. 

Naquela época já existiam fotógrafos. Aliás muito antes disso. Claro, que não na proporção que existe hoje. Tipo, mil fotógrafos para cada habitante do planeta...rs. Mas assim como hoje, foram capazes de eternizar momentos muito especiais como nas duas imagens a seguir. 


Deixo aqui um especial agradecimento aos meus pais por terem guardado esta joia de família. 


Meu álbum de fotografia em 1972.  


Na escola e em casa. Ainda na década de 1970. 


Tenho muitas outras imagens guardadas não só na memória mas também impressas. Não é o melhor momento para expô-las porque não é disso que se trata o post.  Então, vamos dar um salto adiante até os anos 90? 


Nessa década as câmeras fotográficas analógicas chegaram com força total aqui no Brasil. Para imprimir as imagens tínhamos que levar os filmes fotográficos até um laboratório fotográfico, que por sua vez demorava dias para entregar as fotos. O processo de revelação era relativamente caro mas conforme o número de laboratórios expandia os valores foram se adequando ao mercado.  


Guardo comigo com muito carinho algumas câmeras desse período. Elas são presentes que algumas pessoas me deram depois de ter me tornado fotógrafo.

      Câmeras usadas na década de 90. 


Ainda na década de 90, mais precisamente em 1994, comprei minha primeira câmera SLR com filme e lentes intercambiáveis. Uauuu! Uma verdadeira revolução fotográfica para mim apesar de não ter ideia de que um dia me tornaria fotógrafo. Resolvi comprar por conta de uma viagem que fiz de férias junto com amigos pelo nordeste brasileiro. Uma das melhores viagens que já fiz na vida e não tenho uma foto sequer. Sabe porque? Eu não tinha muita habilidade com ela e acabei fazendo uma grande besteira ao retirar o primeiro filme que havia colocado nela perdendo tudo o que já havia fotografo. Resumo, achei que aquele não era o momento para me estressar com isso e resolvi aproveitar a viagem sem fotografar mesmo. 


Tenho a câmera até hoje aqui no meu acervo.

   1994 - Minha primeira câmera SLR com filme. ZENIT 12XS.


E chegam os anos 2000! E nas linhas seguintes vou contar alguns fatos muito curiosos. 


Nessa fase da minha vida, eu tinha uma van, dessas de passageiros, na qual eu era contratado para levar artistas para fazerem seus shows assim como alguns famosos da época. Desde You Can Dance (sim, aqueles da Xuxa!) e Vinny, passando por O Rappa e Planet Hemp até Molejo e Revelação. Até que num dia, toca meu telefone e o contratante me diz o local e horário combinado para eu estar. O máximo de informação que consegui saber era que seria para passar um fim de semana em Búzios onde seria feito um ensaio fotográfico para uma revista. E era só o que de fato eu poderia saber até aquele momento. Lá estava eu, no dia, hora e local marcado para levar a tal modelo. E derrepentemente me aparece nada mais, nada menos que a musa do carnaval do Rio de Janeiro naquela época, Valéria Valença. Sim, meus amigos! Aquela que até hoje não foi substituída a altura. Ao menos na minha humilde opinião.


Meu "trabalho" era simplesmente levá-la, junto com toda a equipe envolvida, aos recantos paradisíacos de Búzios para ser fotografada. Ah, só um pequeno detalhe. Nua! 


Talvez se eu não tivesse o meu exemplar guardado até hoje, seria difícil acreditar nessa história. 


Bem, mas o papo aqui era para falar de fotografia, né mesmo?...rs


Ainda sobre esse trabalho, pude ver de perto não só todas as qualidades da Valéria (ops, recaída...rs) mas também tive a oportunidade de apreciar o trabalho do fotógrafo Luiz Garrido, que diga-se de passagem eu nunca havia escutado seu nome. Afinal, eu nem sonhava ainda em ser fotógrafo e não acompanhava esses caras. Talvez pelo fato de ter sido uma experiência tão próxima com fotografia profissional isso tenha provocado uma curiosidade a mais por esse tipo de trabalho mas que eu ainda não tinha total clareza de que um dia eu me tornaria um fotógrafo. Essa vida é muito louca, né não?

2000 - Edição de junho da Revista Sexway com destaque para mim, é claro...rs


E chegou a nova era!! Ao menos para mim.


Depois de pensar por um tempo sobre o que eu iria fazer na vida, tomei a decisão de ser fotógrafo. Havia trocado umas idéias com um grande amigo na época e com a minha recém namorada, hoje esposa, sobre a possibilidade de encarar esse novo desafio.  E foi o que fiz. 


Decisão tomada, era hora de pensar na compra dos equipamentos. Fiz uma lista baseada em informações desse meu amigo. Decisão tomada e a compra realizada, só faltava esperar chegar!! 


Foi no dia 9 de março de 2009 que tudo se transforma. Chegou a tão esperada caixa de papelão. Nela, não vieram só os equipamentos comprados. Ali dentro tinha expectativa, tinha sonho e acima de tudo muita vontade de ser o melhor fotógrafo que eu pudesse. 


Até aqui foram 10 anos de muita dedicação ao que eu me propus a fazer. E é obvio que tudo o que eu consegui na fotografia, e não falo de grana, eu não poderia deixar de retribuir nessa data especial. 


Do fundo do meu coração, agradeço a aqueles que de alguma maneira contribuíram para que eu chegasse até aqui. Pessoas que confiaram em mim bem no inicio da minha carreira profissional mesmo sabendo que eu ainda não tinha experiência. A minha família pelo apoio incondicional. A vocês amigos, clientes (que viraram amigos), aos fotógrafos e profissionais em geral que conheci até hoje. Em especial ao meu pai, que não teve a oportunidade de ver as imagens que produzi apesar de viver no seu mundo em particular. Pai, eu sei que você iria se orgulhar desse meu trabalho, afinal você me dizia na época em que eu trabalhava na van que aquilo não era trabalho para mim. Serei eternamente grato por tudo o que você fez por mim mesmo sem saber. Te amo!!


O conceito de felicidade é muito relativo mas tem muito haver com a percepção de se sentir realizado com alguma coisa ou fazer com que alguém se sinta realizado. Ao menos eu entendo assim. Para mim, a fotografia tem o poder de reunir as duas coisas e é por isso que tomei a decisão certa. A minha câmera é só um meio para conseguir isso. 

2009 - Data da nota fiscal dos meus primeiros equipamentos profissionais. 


2009 - A tal caixa de papelão que claro, guardo até hoje.


Amo o que faço e desejo que seja assim ou até Deus quiser.


Se você fez parte dessa história, ainda pretende fazer ou curtiu esse post, deixe um comentário ou ao menos um parabéns...rs 


Ficarei ainda mais feliz!!!